Vivências e convivências

Vivências e convivências

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Formas de tratamento

  

Títulos

Forma vocativa

Forma de tratamento

Arcebispos e Bispos

Reverendíssimo Senhor,

Vossa Excelência Reverendíssima

(V. Excia. Revma.)

Cardeais

Eminentíssimo Senhor,

Vossa Eminência Reverendíssima (V. Ema.Revma.)

Cônsules

Senhor Cônsul,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Deputados Federais e Estaduais

Senhor Deputado,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Diretores de Autarquias Federais, Estaduais e Municipais

Senhor Diretor,

Vossa Senhoria (V. Sa.)

Doutor (PH. D.)

Senhor Doutor,

Vossa Senhoria (V. Sa.)

Embaixadores

Senhor Embaixador,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Freiras, Padres e Autoridades Eclesiásticas

Reverendíssimo Senhor,

Vossa Reverência (V. Reva.)

Governadores de Estado

Senhor Governador,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Juiz de Direito

Meritíssimo Juiz,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Marechais, Almirantes, Brigadeiros e Generais

Senhor (patente),

Vossa Excelência (V. Excia.)

Mestres

Senhor Professor,

Vossa Senhoria (V. Sa.)

Ministros de Estado

Senhor Ministro,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Papa

Santíssimo Padre,

Vossa Santidade (V. S.)

Pessoas em geral

Prezado Senhor,

Vossa Senhoria (V. Sa.)

Prefeitos Municipais

Senhor Prefeito,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Presidente da República

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Presidente do Congresso Nacional

Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,

 

Vossa Excelência (V. Excia.)

Presidente do Supremo Tribunal Federal

Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal,

 

Vossa Excelência (V. Excia.)

Presidente de Empresa Privada

Prezado Senhor,

Vossa Senhoria (V. Sa.)

Reitores de Universidades

Magnífico Reitor,

Vossa Magnificência (V. M.)

Secretários de Estado e de Município

Senhor Secretário,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Senadores da República

Senhor Senador,

Vossa Excelência (V. Excia.)

Vereadores

Senhor Vereador,

Vossa Excelência (V. Excia.)

 


quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Pronunciamentos e discursos

 

§  A ordem de pronunciamentos e discursos é inversa à precedência dos respectivos oradores. A autoridade de menor hierarquia faz uso da palavra em primeiro, e assim por diante, cabendo à autoridade mais graduada encerrar a solenidade.

§  Os pronunciamentos são mais breves do que os discursos. É o momento das autoridades dizerem o objetivo de sua fala, darem seu recado.

§  Os discursos são mais longos, transmitem ideias, filosofias de governo, projetos. Têm o objetivo de conquistar, convencer e captar a plateia.

§  O número de oradores deve ser fixado em, no máximo, três ou quatro. Determinar  com eles o tempo de sua fala. O ideal é que os discursos não ultrapassem 20 minutos e os pronunciamentos, na abertura de eventos, entre 5 e 10 minutos.

§  Se o Mestre de Cerimônia fez a saudação e menção dos nomes e cargos das autoridades presentes ou representadas, os oradores não devem repeti-los.

§  O orador pode falar da mesa ou da tribuna, sentado ou em pé, ficando a seu critério.

§  Em almoços e jantares, os pronunciamentos são feitos após a sobremesa, bem como os brindes.

 

Cerimonial, Protocolo, Etiqueta: breve conceituação

 

 

CERIMONIAL 

Toda solenidade, oficial ou não, segue um planejamento elaborado por um conjunto seqüencial de formalidades. A essa sequência de ações e acontecimentos, que resultam em um evento, denomina-se cerimonial. 

 

PROTOCOLO 

Regula o cerimonial de um evento, determinando a precedência, o tratamento, os lugares.

É a ordem hierárquica que determina as regras de conduta aos governos e seus representantes em ocasiões oficiais ou particulares, regulando a conduta nas cerimônias públicas ou privadas. Assegura que cada um receba a posição e o respeito ao qual seu cargo faz jus. 

O protocolo oficial é regido pelo Decreto 70.274, de 9 de março de 1972, que aprova as Normas do Cerimonial Público e Ordem Geral de Precedência, alterado pelo Decreto 83.186, de 19 de fevereiro de 1979. 

  

ETIQUETA 

Conjunto harmonioso de regras de boas maneiras, normas, hábitos, atitudes e gestos que resultam no comportamento das pessoas em eventos oficiais ou não.

Concentra-se no comportamento dos anfitriões e convidados. 

Facilita o convívio entre as pessoas por meio de comportamento adequado a cada ocasião e cerimônia, dando segurança aos anfitriões e aos convidados. 

 

 


Educação para uma leitura de mundo

 

Recordo-me de constantes crises no cenário econômico e produtivo brasileiro. A exemplo do que acontece atualmente. Exigência por produtividade e desempenho máximos. Dirigentes com os nervos à flor da pele. Cenário que requer de nós profissionais paciência, tolerância e muito profissionalismo. Sobreviverá o profissional que tiver pique (aqui entendido no sentido de competência), que tiver um diferencial: fazer e dar sempre o seu “melhor”. Não o “possível” e sim o melhor. E souber se contrapor às diferenças de opinião e ações com respeito, conhecimento e discrição.

Somos todos interdependentes e inseparáveis de um Todo Cósmico, onde ações nossas aqui em Blumenau, onde moro, as queimadas na Amazônia e no Pantanal (e na região oeste dos Estados Unidos) impactam na natureza, em nossa realidade e na realidade do próximo, onde quer que se esteja.

Despertar a nossa consciência com pequenas ações de pertencimento a esse cosmo e à realidade que se coloca diante de nós no mundo do trabalho, amplia nossa responsabilidade na contribuição para a construção de um mundo mais harmonioso, mais fraterno, solidário, com consciência ecológica, relacional e sustentável.

Como dar conta de abafar ou diminuir essa onda do descartável, do desapego: nos relacionamentos, nos empregos, com as pessoas, com o conhecimento construído, com a história de vida vivida? Com o próprio propósito de vida?

Chego a uma só resposta. Visualizo somente um caminho: um amplo processo de educação. Único caminho que nos ajudará a reconstruir uma consciência coletiva na criação do sentimento de pertencimento à natureza e a uma perspectiva de empregabilidade, com o enaltecimento do profissionalismo.

Aqui clamo pelo real comprometimento das três instâncias de educação:

Educação formal: aquela educação que é dada ao ser humano sempre sistematizada e, principalmente, apoiada no sistema. Ela é metódica, intencional, consciente. No caso de Secretariado, deve ser entendida como a formação de técnicos, tecnólogos e bacharéis, nos respectivos níveis de ensino vigentes no Brasil.

Educação não formal: que até pode ser intencional, mas não é e não está inscrita na escolaridade como a formal, que é obrigatória, conforme a Constituição Federal. 

Educação informal é aquela que se dá completamente desvinculada de qualquer método, de qualquer sistema.

 Nenhuma dessas instâncias da Educação poderá ficar de fora, porque a instância que se excluir prejudicará o processo como um todo. Fragilizará o avanço.

Defendemos aqui um processo de educação que proporcione uma leitura de mundo, o desenvolvimento da capacidade da pessoa de se engajar em projetos e ações, consciente de sua responsabilidade social e ética; consciente da necessidade de aprender a aprender e saber pensar, para poder agir e ajudar a transformar o contexto no qual está inserido.


segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Como organizar e redigir e-mails corporativos

  

INTRODUÇÃO

      O e-mail, no contexto atual, ainda é considerado uma das principais formas de comunicação das empresas. É um canal bastante procurado pelos clientes para obter informações e negociar produtos e serviços, bem como por representar parte da imagem que a organização passa a seu público consumidor. Também é muito utilizado na comunicação interna das organizações.

Este texto tem como objetivo auxiliar na elaboração de e-mails mais efetivos, e consequentemente contribuir para a melhora da organização do tempo e planejamento de um profissional cuja prioridade seja gerir sua vida profissional de maneira eficaz.

Por isso, investir em um modelo de e-mail corporativo eficaz, com o objetivo de enviar mensagens de maneira profissional e responsável e de ser uma ferramenta de otimização de tempo, é o primeiro passo para que se obtenha o máximo de sucesso com este canal de comunicação. Certamente isso requer a observação de algumas regras básicas, que serão citadas e comentadas a seguir.

1 ORGANIZAÇÃO DE MENSAGENS

            Segundo Christian Barbosa (2013), “um profissional chega a gastar até três horas lendo, organizando e respondendo suas mensagens”. Por isso, é recomendado que se estipulem horários para ler e responder seus e-mails, o ideal é fazer isso a cada uma ou duas horas, dependendo do fluxo de contatos. Importante é não deixar pendências.

Os e-mails precisam ser respondidos e arquivados por pastas. Para otimizar o tempo  através de uma busca rápida, o ideal é eleger prioridades e adicionar as pastas mais importantes aos favoritos.  Somente os e-mails que possuem pendências a serem resolvidas e/ou respondidas devem ser deixados na caixa de entrada. Excluam-se os e-mails desnecessários.

Também é possível criar compromissos, agendamentos e gerar tarefas realizando uma sincronização com a agenda, para que assim possa se resolver pendências dentro do prazo. O fato é que os programas de e-mails possuem diversas ferramentas que podem ser utilizadas para melhorar a organização e otimizar o tempo. São medidas simples que podem resultar em uma melhor reputação e imagem institucional, fazendo com que o cliente perceba a organização e a agilidade, imagem de empresa comprometida e estruturada.

2 ESTRUTURA DO E-MAIL

            O endereço de um e-mail pessoal deve ser claro, objetivo e formal, preferencialmente um nome neutro; não se deve utilizar apelidos, números e hifens.

O assunto deve ser um título relevante e condizente com o contexto do e-mail; é um fator importante que irá gerar a curiosidade e atenção do leitor receptor. Muitas mensagens são deletadas porque chegam com o título em branco ou inadequado.

A saudação inicial e final deve ser redigida com grau de formalidade adequado. Preferencialmente dirigir-se ao destinatário pelo nome, acompanhado de expressões e/ou títulos formais como "Prezado Sr. Fulano" ou “Caro Dr. Ricardo”. Para finalização ou despedida usam-se termos como “Atenciosamente”, “Cordialmente” ou “Grata(o)”, seguido por uma vírgula. E a assinatura do e-mail, preferencialmente deve ser com nome, cargo e número de telefones, dados indispensáveis para a continuidade do contato.

Caso seja necessário enviar documentos anexos ao e-mail, no corpo da mensagem precisa ser informado o que está sendo enviado, com nomes e dizeres adequados à linguagem corporativa. É preciso tomar cuidado para que os anexos não deixem a mensagem pesada, prejudicando o seu recebimento.

Quando for enviar a mesma mensagem para mais pessoas, torna-se necessário analisar se é necessário que os destinatários saibam para quem foi enviado, assim como o endereço de e-mail de todos. Se necessário, enviar para os contatos com cópia oculta (CCO). Da mesma maneira, ao receber um e-mail que foi enviado para diversas pessoas, ao respondê-lo, cabe analisar cuidadosamente para quem irá a resposta, se somente ao remetente, ou também para todos os demais.

3 CONTEÚDO DA MENSAGEM

A redação empresarial caracteriza-se pela impessoalidade, uso padrão culto da linguagem, clareza, concisão, formalidade. O e-mail, como integrante da comunicação escrita empresarial, também vai demandar que sua mensagem seja clara, objetiva, concisa, direta, e que se aborde somente o essencial. Ainda, deve ser redigido de maneira formal.

São aspectos e cuidados que facilitarão a compreensão da mensagem e evitarão a perda de tempo tanto do destinatário como do remetente.  Um texto objetivo e conciso transmite o máximo de informações com o mínimo de palavras. Se a mensagem for complexa e longa demais, ela poderá ser interpretada da forma diversa da pretendida, ou nem ser lida pelo receptor, por não ser atrativa.

A mensagem do e-mail não pode conter erros ortográficos e nem gramáticos. É recomendado o uso de editores de texto que possuem funções de corretor ortográfico. O uso de vírgulas e pontos pode modificar toda a interpretação do assunto, assim, é indispensável o seu correto uso.

CONSIDERAÇÕES FINAIS 

       A redação e a organização de um e-mail corporativo seguem necessariamente algumas regras. O ideal é se ter um padrão estabelecido corporativamente para ser utilizado sem melindres no dia-a-dia, poupando tempo.

Boa gramática, objetividade, organização e disciplina são alguns dos itens necessários para secretários, assessores e profissionais da administração em geral conseguirem se organizar para que o e-mail não lhes tome muito tempo em relação a outras tarefas.

De forma sucinta, pode-se afirmar que saber gerenciar e redigir corretamente e-mails é uma característica muito importante e um fator que poderá construir ou denegrir a imagem de um profissional. Segundo a instrutora de comunicação escrita do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Educação Continuada (CPDEC), Vivian Cristina Rio: “escrever corretamente um e-mail é importante porque, por meio da linguagem, transmitem-se o conhecimento e a organização de quem redigiu o texto”.

 Autoria: Ana Paula Pereira, Bruna Nayara Ruthes, Cintia Daiane dos Santos, Juçara Schulz Köpp, Raquel Sauer Walker, Disciplina: Tempo, organização e Planejamento, do Curso de Pós raduação em Asessoria Executiva Empresarial, da Universidade Regional de Blumenau; Professora Eliane Wamser.

 REFERÊNCIAS

Revista Online Exame. Disponível em http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/as-regras-para-acertar-ao-escrever-um-email-corporativo

Site Uol. Disponível em http://classificados.folha.uol.com.br/empregos/1191959-confira-5-dicas-para-escrever-e-mail-corporativo-corretamente.shtml

10 Dicas para elaborar um e-mail. Disponível em http://www.rh.com.br/Portal/Comunicacao/Dicas/6057/10-dicas-para-elaborar-um-e-mail-corporativo.html

BARBOSA, CHRISTIAN. 60 Estratégias para ganhar mais tempo. Editora Sextante. Rio de Janeiro, 2013.