Vivências e convivências

Vivências e convivências

quinta-feira, 14 de maio de 2020

Profissional de secretariado: mais uma linha de história pessoal



Aprender a aprender: a mola propulsora



A educação continuada tornou-se essencial para lidar com às inovações tecnológicas e, por consequência, com as mudanças no gerenciamento da informação e na operacionalização de inúmeras atividades administrativas. Surgiam novos campos de atuação e exigia-se cada vez mais profissionalismo.

Por isso, procurei fazer parte do time que administrava. Precisava estar atualizada e informada. O meu desempenho não era avaliado somente pela capacidade de lidar com papéis e objetos materiais, mas, principalmente, pela habilidade de lidar com os clientes internos e externos.

Assumi a responsabilidade por minha aprendizagem. Aprender a aprender foi minha mola propulsora para acordar a cada dia com mais disposição para buscar novos conhecimentos. Com intuito de desempenhar bem meu papel profissional, participei de vários cursos de desenvolvimento pessoal e capacitação profissional em várias localidades do País. Precisava ir para os grandes centros para acompanhar as mudanças decorrentes da evolução da tecnologia de informação e de comunicação.

Também fiz cursos no exterior e em São Paulo para aperfeiçoar a conversação e a redação em língua inglesa. Como consegui? Lá trás, quando tomei a decisão de ser secretária executiva trilíngue, comecei a poupar dinheiro - mesmo que pouco - para fazer um intercâmbio internacional.

Precisava de aproximadamente quatro mil dólares para pagar o curso, passagem aérea, hospedagem e alimentação em casa de família. Além de certa quantia para o lazer e extras do dia a dia. Por quê? Queria experimentar a capacidade de me comunicar em língua inglesa com native speakers. E isso só se faz in loco.

Destino: London, Forest Hill School. Quem diria! Filha de pedreiro viajando para o exterior para estudar inglês. Em março de 1979, um sonho; em outubro de 1987, um fato. Embarquei para Londres, Inglaterra. Mais uma meta alcançada. Que felicidade!

Estudar inglês em Londres motivou-me ainda mais a buscar fluência no idioma. Próxima meta: estudar Business English for Secretaries na Associação Alumni, em São Paulo capital. Era um curso de 72 horas aula, ministrado aos sábados.

Como quase tudo que é bom requer sacrifício, de março a junho de 1988, passei as noites de sexta e sábado num ônibus que fazia o itinerário Blumenau São Paulo e vice-versa. Comprometida com minhas decisões, obtive 100% de frequência e finalizei o curso com média dez.

Até então, não havia razão para frequentar um curso superior. Eu estava vivendo uma época de desenvolvimento profissional ímpar, diariamente exposta a uma atmosfera repleta de inovações tecnológicas que impregnava todo ambiente de trabalho. Os cursos de aperfeiçoamento estavam mais próximos de minha realidade profissional.

A vida era minha escola, porém, sem direito a diploma de curso superior. A secretária estava realizada, mas a menina que ministrava aulas para alunos imaginários e o irmão no velho rancho ansiava por minha atenção. Eu queria o diploma para me lançar ao próximo desafio: ser professora.

Em agosto de 1988, iniciei o curso superior de licenciatura em Letras Português Inglês na Universidade Regional de Blumenau.


Extrato do livro: A secretária que faz..., que escrevi e editei em 2010.




Nenhum comentário:

Postar um comentário