Vivências e convivências

Vivências e convivências

sábado, 10 de novembro de 2012

O impacto das inovações tecnológicas


          A tecnologia sempre existiu e nunca deixou de se desenvolver. Rattner (1980, p. 57) define tecnologia “como sendo a aplicação sistemática de conhecimentos organizados e científicos para a solução de tarefas práticas.” Destaca que no âmbito do mundo capitalista a tecnologia é considerada sob todas as formas possíveis: produtos, máquinas, equipamentos e processos.  
No final  do século XIX, a maioria dos trabalhadores do campo ou artesãos ainda usavam instrumentos pré-industriais e mal sabiam eles que a moderna tecnologia já estava a sua volta: bondes movidos a eletricidade, luz elétrica, telefone, cinema, máquina de escrever, calculadora de teclado, rádio, fonógrafo, carro. (DRUCKER, 1971). Desde então até os nossos dias, as inovações tecnológicas têm impactado significativamente sobre a sociedade e o comportamento de seus membros, não tanto pela evolução em si, mas pelo ritmo acelerado como acontecem. 
Na agricultura, na indústria e na prestação de serviços, as máquinas estão conseguindo eliminar o trabalho humano e substitui-lo com muito mais eficiência, atingindo, de certa maneira, o desejo dos empresários de terem uma fábrica sem trabalhadores e um escritório sem papel. A produtividade melhora, o lucro aumenta e o trabalhador perde seu espaço de trabalho para as máquinas. É o desemprego aumentando vertiginosamente e comprometendo seriamente o poder aquisitivo das pessoas. Com isso, também, está se desfazendo a suposta “mágica” da tecnologia, que, conforme Rifkin (1995, p. 15), é a lógica da política econômica por mais de um século, ou seja, “novas tecnologias fomentam a produtividade, reduzem custos de produção e aumentam a oferta de produtos baratos, que por sua vez aumentam o poder aquisitivo, expandem mercados e geram mais empregos.” Hoje, depois de o homem viver décadas envolto e hipnotizado por esta “mágica” que vendia previsões para lá de otimistas, as novas tecnologias estão finalmente causando seu impacto. 
 As novas tecnologias de informação e de comunicação começaram a impactar com estruturas administrativas complexas, principalmente a partir do momento em que o computador  entrou em cena, nos anos 40. Nas primeiras décadas, o computador manteve-se distante do homem comum devido à necessidade de ambiente especial, pessoal técnico especializado, linguagens pouco acessíveis, alto preço e grande volume físico. 
Depois dos anos 80, o desenvolvimento de novas tecnologias de informação e de telecomunicações, entre as quais as redes de cabos de fibras óticas, sistemas de chaveamento digital, transmissão digital, comunicações por satélite, para citar apenas algumas, tornaram real a ligação entre computadores, criando-se as redes de computadores. Esses avanços tecnológicos abriram caminho para a entrada, em definitivo, do computador nos escritórios. 
Paralelamente, cresce a necessidade das organizações de racionalizar métodos, reduzir custos e aumentar a produtividade do escritório. E o computador veio responder a uma ansiedade das empresas que não podiam operar com confiabilidade e rapidez o volume crescente de seus dados. 
Muitos anunciaram o nascimento do escritório do futuro, do escritório sem papel, do escritório automatizado, do escritório eletrônico. Indiferentemente à denominação, a verdade é que, nas últimas três décadas, as novas tecnologias invadiram os escritórios, provocando uma série de mudanças na maneira como eram feitos determinados trabalhos.
          Nos escritórios, a introdução do computador afetou, por exemplo, o trabalho do secretário, que vinha destinando muito tempo de seu expediente a tarefas rotineiras, repetitivas e monótonas, como é o caso da datilografia. O computador chegou justamente para se encarregar destas tarefas meramente operacionais, imprimindo mais rapidez e executando as tarefas que requerem eficiência, para que o secretário pudesse se ocupar mais com as que requerem eficácia, ou seja, dar atenção às coisas certas, visto que o computador processa as coisas da maneira certa.
Se voltarmos à época da Revolução Industrial, vamos verificar que muitas mudanças aconteceram em decorrência das novas tecnologias. Era o mata-borrão, o lápis com borracha, as penas de aço, o papel carbono, a máquina de escrever manual, a calculadora de teclado, o mimeógrafo e o telefone presentes nos escritórios no final do século XIX. (RIFKIN, 1995).
Daí para a frente, até meados dos anos 70, com a chegada do telex, da fotocopiadora, da máquina de escrever elétrica e, um pouco mais tarde, da máquina de escrever eletrônica, a rotina para se enviar uma correspondência era praticamente assim: o chefe ditava a correspondência ao secretário, que, ao término do ditado, ia datilografá-la, levava-a para a apreciação do chefe, este fazia algumas correções e eliminava uma ou outra frase, se fosse o caso. Então, o secretário redatilografava a correspondência o número de vezes necessário, até que não houvesse nenhum erro, apresentava-a ao chefe para assinatura, passava na sala da reprografia para fazer uma fotocópia para o arquivo, voltava a sua mesa, envelopava a correspondência, esperava o office-boy para levá-la ao correio e ser, finalmente, enviada.
Dependendo do assunto, era enviado um telex, mas o esquema do ditado e aprovação era o mesmo. Assim como era idêntico o processo do envio de um comunicado interno ou de um memorando, que era entregue pelo office-boy ou contínuo, como era chamado em algumas organizações, diretamente na sala do destinatário. O escritório passou a ser uma fábrica de circulação de papéis.
No Brasil, com a chegada de microcomputadores com software para processamento de textos, os profissionais que trabalhavam nos escritórios começaram a ter algum tempo disponível para tarefas menos repetitivas do que a datilografia e redatilografia de documentos. A vantagem dessa inovação tecnológica era que, uma vez digitado, um contrato não precisava ser digitado novamente após a revisão, para a correção de erros ortográficos, por exemplo. Era preciso digitá-lo, salvá-lo num arquivo no computador e quando pronto, imprimi-lo em quantas vias fosse necessário. Agilizou o envio de documentos. Porém, não diminuiu a quantidade de papéis circulando no escritório, e a necessidade de fichas para os mais diversos controles.
Em algumas organizações, o uso do computador, a partir dos anos 80, eliminou a perda de tempo, mas para que a lentidão dos escritórios desse lugar à rapidez, e a eficiência à eficácia, foi preciso que se usasse a tecnologia de informação e de comunicação como suporte.
No decorrer dos anos 80 e 90, com muito mais velocidade do que antes,  novas tecnologias foram introduzidas nos escritórios: aparelhos de fax, secretária eletrônica, correio de voz, correio eletrônico (e-mail), pager, videoconferência, teleconferência, telefone celular. Todos possibilitam contato com uma pessoa a qualquer hora do dia ou da noite, onde quer que ela esteja, além da Internet, que permite a comunicação, indiferentemente do lugar, ao custo de impulsos locais.  Tudo graças às novas tecnologias de comunicação, como a transmissão por fibras óticas e por satélite. A comunicação pela rede interna de computadores - a Intranet, também, vem facilitar a localização e o uso de informações, bem como proporciona uma comunicação interativa entre as equipes, mesmo em lugares diferentes.

Toda essa tecnologia altera consideravelmente muitos dos procedimentos administrativos. Elimina funções e categorias de trabalho e leva as organizações a uma completa reestruturação administrativa.
Ninguém mais precisa ditar cartas e memorandos para sua secretária datilografar e o office-boy despachá-las. Praticamente todos têm acesso a uma tela de computador e a um teclado para enviar e receber suas mensagens. O executivo, por exemplo, pode digitar a mensagem em seu terminal e enviá-la à secretária para que faça a formatação e a envie eletronicamente. Se for comunicação interna, ele mesmo, via terminal, envia suas mensagens, do mesmo modo que as recebe e responde através da rede interna de comunicação. Muitos papéis, desta forma, são tirados de circulação e desocupam mesas de secretários, executivos e demais empregados administrativos. Os telefones passam a tocar menos, pelo fato de a comunicação acontecer via correio eletrônico. Viagens nacionais e internacionais de executivos são aubatituídas por teleconferências.
Em muitas organizações, as estações de trabalho (workstations), o escritório inteligente, já são uma realidade. O lay-out dos escritórios, sem as tradicionais paredes e as salas fechadas, permite um trabalho mais integrado, além de acomodar as pessoas e os equipamentos de forma harmônica. É a reengenharia espacial.
As organizações não podem parar de adotar as inovações tecnológicas, da mesma maneira que seus empregados não podem deixar de se qualificar para assumir sempre mais responsabilidades e estar preparados para as novas tecnologias que os pesquisadores estão desenvolvendo, e que impactarão o trabalho. A tecnologia é criada para nos servir. É uma ferramenta que tem falhas, como nós as temos também. É como diz Toffler (1980, p. 179):
Os computadores não são sobre-humanos. Quebram-se. Cometem erros... algumas vezes erros perigosos. Não há nada de mágico neles, e certamente não são “espíritos” ou “almas” no nosso ambiente. Entretanto, com todas estas limitações, encontram-se entre as realizações humanas mais espantosas e inquietantes, pois ampliam o poder da nossa mente como a tecnologia ampliou a força dos nossos músculos e não sabemos aonde as nossas próprias mentes nos levarão por fim.


 Referências:
DRUCKER, Peter. Tecnologia, gerência e sociedade: as transformações da empresa na sociedade tecnológica. (tradução de Luiz Carlos Lucchetti Gondim) Petrópolis/RJ: Vozes, 1971.

RATTNER, Henrique. Tecnologia e sociedade: uma proposta para países subdesenvolvidos. São Paulo: Brasiliense, 1980.

RIFKIN, Jeremy. O fim dos empregos: o declínio inevitável dos níveis dos empregos e a redução da força global de trabalho. (tradução Ruth Gabriela Bahr). São Paulo: Makron Books, 1995.

TOFFLER, Alvin. A terceira onda. (tradução de João Távora) 13.ed. Rio de
Janeiro: Record, 1980.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário