Vivências e convivências

Vivências e convivências

segunda-feira, 23 de março de 2015

Será que tudo é uma questão de tempo?



Se fizermos uma analogia de nossas vidas, e da vida das empresas em que trabalhamos, quais são as semelhanças e as diferenças que podemos identificar? Primeiramente deveríamos fazer uma pergunta básica, e o que é “Vida”?
Algumas pessoas podem dizer que vida é o tempo entre a concepção e a morte, a condição de uma entidade que nasceu e ainda não morreu, ou um processo em curso do qual seres vivos são uma parte, levando isto em consideração podemos dizer que é tudo uma questão de tempo, e de como iremos empregar este tempo em nossas vidas e na vida de nossas empresas.
Ao conhecer um pouco mais sobre a “Tríade do Tempo” de Christian Barbosa que trata sobre aquilo que é importante, urgente e circunstancial percebemos que não temos como separar nossas vidas pessoais de nossas carreiras profissionais, tal feito seria um erro, porém infelizmente, automaticamente ou até inconscientemente tentamos não misturar as coisas e separá-las para que quem sabe a leveza de uma não interfira na dureza de outra e assim vice-versa, o que não percebemos é que na intenção de separá-las estamos mal administrando o tempo de ambas, estamos apenas remendando e criando um provisório que é para sempre.
No livro que li - “Casais inteligentes que enriquecem juntos” de Gustavo Cerbasi, aprendi muitas coisas das quais levo para minha vida e para a vida de minha noiva desde então, porém nem sempre aplicamos tudo aquilo que temos de teoria, e qual seria o motivo para a não aplicação destas teorias?
Já ouvi falar que o ‘urgente’ é tudo aquilo que alguém não conseguiu realizar em tempo hábil e quer que você faça em tempo recorde; também ouvi falar que para cada um minuto que usamos para nos planejarmos ganhamos uma hora de produtividade, e que tudo é uma questão de acreditar, sentir-se preparado e não desistir.
O que nunca ninguém me falou é que muitas vezes nos sabotamos, que aplicamos erroneamente o nosso tempo e não planejamos estrategicamente com brainstorming, plano de ação, briefing e feedback nossas vidas e carreiras, não percebemos quais são nossos pontos fortes e fracos, assim como normalmente agimos dentro das organizações a qual pertencemos.
Se eu colocasse no papel, tudo aquilo que atrapalha a otimização de nosso tempo eu diria que a primeira coisa é não refletir sobre isso, a partir daí uma série de justificativas podem ser apresentadas.
Recentemente aprendi uma gíria nova, que faz referência ao assessor que nada assessora - não vou citar a gíria neste texto, mas os acadêmicos da pós-graduação de Assessoria Executiva Empresarial sabem qual é e o que isso significa - por diversas vezes encontramos pessoas com este perfil a nossa volta, e o que difere essas pessoas das demais se define em um verbo, fazer.
Fazer acontecer é isso o que um executivo faz, este é o significado ou a tradução desta profissão. E assessorar este profissional nada mais seria do que garantir que a sua missão seja cumprida, porém isso tudo só é possível uma vez que nos conhecemos, uma vez que fazemos uma leitura sobre nós mesmos e enxergamos tudo aquilo que para nós é importante, urgente ou circunstancial. O ser humano, como a qualquer outra entidade que atribuímos a vida, possui sua individualidade  biológica, ou seja, não existe nada, nem ninguém exatamente igual, e portanto não tem como se criar uma receita de bolo para aplicar em tudo. Mas existem mecanismos dos quais podemos utilizar e aplicar para melhor nos conhecermos  e decidir quais métodos são os mais eficazes perante nossas características.
O que eu mais gosto de fazer, neste momento é estar na minha casa, simples assim, porém, para mim, não existe nada mais importante no mundo nem mais grandioso do que isso, pois é na minha casa que está a minha noiva, que amo além dessa vida; é na minha casa que depositei toda minha luta, trabalho, sangue e suor; é em cada cômodo, em cada móvel e objeto que lá está que dediquei uma vida inteira de esforço, aprendizado, bagagem, vitórias e derrotas. É nesta casa também que está o Valente, meu mais novo melhor amigo, filho, parceiro ou como quer que se deva chamar, meu mais novo cãozinho.
 Tenho certeza de que se eu ler este texto daqui a alguns anos, acharei este trecho bizarro, engraçado e talvez me envergonhe um pouco por isso, mas acho que tudo isso também é uma questão de tempo.
O tempo às vezes parece fluir e uma hora passa feito um segundo e outras vezes um segundo dura uma eternidade, a verdade é que tudo depende do sentimento que aplicamos ao momento em que estamos vivendo, associamos momentos bons, ao fato de serem curtos e momentos ruins de demorarem, mas que graça teriam os momentos bons se a ocasionalidade pela qual este fenômeno acontecesse fosse maior do que os momentos ruins.
Que importância daríamos a estes momentos?
E qual felicidade este momento nos proporcionaria?
Tudo que aprendi até aqui, me faz desejar somente, simples e curtíssimos momentos da mais pura e verdadeira felicidade e que a incidência destes acontecimentos seja tão duradoura, quanto um segundo perante a eternidade. 
        Pensar sobre isso é fácil, agir desta forma é que é difícil. A verdade que acredito é que fácil é tudo aquilo que dominamos, que já conhecemos e difícil é tudo aquilo que precisamos empregar um pouquinho mais de tempo para aprender como se faz.
        Se alguém me pedisse para encontrar um elefante branco e me convencesse da importância de se ter um elefante branco, e me perguntasse como eu faria isto?  Eu diria que encontraria um elefante a venda em algum país distinto, em algum zoológico ou em um circo; daria um jeito de importá-lo e regularizar sua situação e quando ele estivesse aqui encontraria a tinta certa para pintá-lo de forma que isso não o prejudicasse e fazendo com que nenhuma ONG se oponha a minha vontade.  Porém se alquém mandar eu arrumar um elefante branco não importando a maneira com a qual eu faria isto, sem considerar minha opinião ou desrespeitando meu intelecto, eu obviamente irei tirar meu time de campo, para mim isto é o que difere daquilo que faço, daquilo que me é imposto e daquilo que escolho fazer.
Concluo então que o que me atrapalha é aquilo que eu não organizo, aquilo que não planejo e que não faço uma gestão, que desperdiço muito tempo me dedicando a encontrar formas, quando o que eu preciso primeiro é de mais autoconhecimento, é esquecer um pouco o “quando” e o “como” e definir um pouco mais “o que”, o que é importante, o que é urgente, e o que é circunstancial, o que eu gosto de fazer, o que eu não gosto, e o porque disso tudo.
Por fim, precisamos fazer um pouco mais por nós e por nossas vidas, como tudo aquilo que sempre fazemos pelas empresas nas quais passamos, isso responde minha pergunta inicial, esta é a semelhança que desejamos e a diferença que não enxergamos entre a importância de ambas as vidas e como elas se relacionam. 

Autor: Eduardo Augusto de Mattos. Texto produzido para a disciplina de Tempo, Organização e Planejamento, do curso de Pós-Graduação em Assessoria Executiva Empresarial, da Universidade Regional de Blumenau, em fevereiro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário